Carregando...

referências

BARROS, Miguel de; LIMA, Redy Wilson Duarte. Rap kriol (u) o pan-africanismo de Cabral na música de intervenção juvenil na Guiné-Bissau e em Cabo Verde. REALIS. V.2, N.2, Julh-Dez. 2012.

BELL, Lee Anne. Storytelling for Social Justice. Connecting Narrative and the Arts in Antiracist Teaching. Nova Iorque: Routledge, 2010.

BOCHNER, Arthur P. e RIGGS, Nicholas A. Practing narrative inquiry. LEAVY, Patricia. (ed.). The Oxford Handbook of Qualitative Research.
Nova Iorque: Oxford, 2014, p.195-222.

CAMARGOS, Roberto. Rap e política: percepções da vida social brasileira. Boitempo Editorial, 2015.

CHARRY, Eric (Ed.). Hip hop Africa: New African music in a globalizing world. Indiana University Press, 2012.

COSTA, Magnusson da. Hip Hop, reconhecimento e paideia democrática: Bota a Fala, A.se.front. e a experiência artística. 2016. 109 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Humanidades) – Instituto de Humanidades e Letras, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, São Francisco do Conde, 2016.

DARBY, Derrick; SHELBY, Tommie. (Org.). Hip Hop e a Filosofia. Da rima à razão. Trad. Martha Malvelli Leal. São Paulo: Madras, 2006.

DIAS, Belidson. Preliminares: A/r/tografia como metodologia e pedagogia em artes. In: DIAS, Belidson e IRWIN, Rita. Pesquisa educacional
Baseada em Arte: A/r/tografia.
Santa Maria: UFSM, 2013, p. 21-26.

DIMITRIADIS, Greg. Performing identity/performing culture: Hip hop as text, pedagogy, and lived practice. Peter Lang, 2009.

DE ANDRADE, Elaine Nunes. Rap e educação, rap é educação. São Paulo: Selo Negro, 1999.

DO AMARAL, Mônica GT; CARRIL, Lourdes (Ed.). O Hip Hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. Alameda, 2015.

DUBOIS, W. E. B. As almas da gente negra. Trad. Heloísa Toller Gomes. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 1999.

FEITOSA, Charles. Explicando a Filosofia com Arte. 1. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

____. O Que é isto – Filosofia Pop? In: Daniel Lins. (Org.). Nietzsche e Deleuze – Pensamento Nômade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001,  p. 95-105.

____. Filosofia Pop – Um Relato acerca de experiências em divulgação da filosofia. Pense- Revista Mineira de Filosofia e Cultura, v. 1, p. 11-15, 2012.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guine-Bissau. Registros de uma experiência em processo. 5ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GILYARD, Keith. Composition and Cornel West: Notes toward a deep democracy. SIU Press, 2008.

HILL, Marc Lamont. Batidas, Rimas e vida escolar. Pedagogia Hip-Hop e as políticas de identidade. Trad. Paola Prandini e Vinícius Puttini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HILTON, Jorge. Bahia com H de Hip-Hop. Salvador: Segundo Selo, 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: A educação como prática de liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

IRWIN, William; GRACIA, Jorge J. E. (ed.). Philosophy and the interpretation of pop culture. Lanham, MD: Rowman and Littlefield, 2007.

LOPES, Filomeno. Bonga Kwenda: um combatente angolano da liberdade africana. Harmattan Italia, 2013.

_____. Filodramática. Os PALOP entre a filosofia e a crise de cosnciência histórica. Maputo, Instituto Missionário Filhas de São Paulo- Maputo (Moçambique), 2018.

LOPES, Marcos Carvalho. “Filosofia a partir dos PALOP: entrevista com Filomeno Lopes”. Capoeira-Humanidades e Letras, v. 3, n. 1, p. 85-96, 2017.

_____.Canção, estética e política: ensaios legionários. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2011.

______. “A utopia de Caetano Veloso e a Filosofia no Brasil”. In: SCHAEFER, Sergio e SILVEIRA, Ronie A. T. (org.) Caetano e a Filosofia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC; Salvador: UFBA, 2010. pp.225-256.

_____. “Cazuza e a malandragem de ser brasileiro”. In: FERREIRA, Arthur A. Leal. (org.) Pragmatismo e questões contemporâneas. Rio de Janeiro: Arquimedes, 2008. pp.143-173.

MARTINS, Rosana. Hip Hop: o estilo que ninguém segura. Santo André, SP: Prima Linea, 2005.

PENNYCOOK, A. D.; MITCHELL, Tony. Hip hop as dusty foot philosophy: Engaging locality. Routledge, 2009.

RIBEIRO, Matilde. Políticas de promoção da igualdade racial no Brasil (1986-2010). Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Rap global. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2010.

SHUSTERMAN, Richard. Practicing Philosophy: Pragmatism and the philosophical life. New York: Routledge, 1997.

____. Vivendo a arte. O pensamento pragmatista e a estética popular. Trad. Gisela Domschke. São Paulo: Ed. 34, 1998.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de Reexistência. Poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

TELLES, João A. Pesquisa educacional com base nas artes: pensando a educação dos professores como experiência estética, Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n.3, p. 509-530, set/dez 2006.

TEPERMAN, Ricardo. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. Editora Companhia das Letras, 2015.

TIBURI, Marcia. Filosofia prática. Editora Record, 2016.

WEST, Cornel. Questão de raça. São Paulo, Editora Companhia das Letras, 1994.

_____. Democracy matters: Winning the fight against imperialism. Penguin Group USA, 2005.

Voltar ao topo
Campus da Liberdade, Avenida da Abolição, nº 03, Centro, CEP: 62.790-000 – Redenção – CE – Brasil
Tel: + 55 (85) 3332.1448
Desenvolvido pela Seção de Portais e Aplicações Web (SPA) - DTI / Unilab © 2020 | RSS
Versão 24.2.16